Hipismo

Qualificativa para o Pan, Internacional de CCE aconteceu no Rio

Publicado

⠀em

Em meados de abril, os melhores cavalos e cavaleiros da competição estiveram no Centro Olímpico de Hipismo. Brasileiro trabalhou como Steward

O Concurso Completo de Equitação Internacional (CCI) nível 3*,2* e 1* agitou o Centro Olímpico de Hipismo, em Deodoro, Rio de Janeiro, palco da Rio 2016. As duas séries de nível 3* – longa e curta – também serviram como qualificativa técnica para os Jogos Pan-americanos 2019. Concurso Completo – com provas de Adestramento, Cross Country e Salto – também é considerado um triatlo equestre. As duas equipes primeiras colocadas no Pan garantem vaga para as Olimpíadas.

Ao lado do Ten Cel Antonio Cesar Esteves Mariotti, presidente do evento, e comissão organizadora, também prestigiou a seletiva o General de Brigada André Luiz Ribeiro Campos Allão, chefe do Centro de Capacitação Física do Exército e Presidente da Comissão de Desportos do Exército. A armação dos percursos no Cross esteve a cargo de Oliveira da Rosa, com assistência de Helio Fernando Moura de Almeida. E no Salto, o desenho de percurso coube a José Evandro Gervásio de Oliveira.

Major Gustavo Lopes da Cruz montando Opala do Rincão

Cinco conjuntos em atividade no país garantiram índice técnico conforme os seguintes critérios:  prova de Adestramento: não mais de 45 pontos de penalidade (ou mínimo 55% de aproveitamento). Prova Cross Country: um percurso sem faltas nos obstáculos e não ultrapassar os 75 segundos o tempo ideal do para competições de nível de 3* e 4* e 100 segundos no caso de Competições de 5* (cinco estrelas). Prova de Salto: não mais de 16 pontos de penalidades nos obstáculos.

A comissão técnica que vai definir a escalação do Time Brasil no Pan é composta por Ademir de Oliveira, técnico, Ronaldo Bittencourt Filho, presidente da Confederação Brasileira de Hipismo, Julie Purgly, diretora da CBH, e o veterinário Paulo Eduardo Limongi. Ademir de Oliveira esteve presente em Deodoro, onde também ministrou um curso a convite da CBH.

Ademir de Oliveira, técnico do Time Brasil, com participantes do curso

Na série CCI3* Long, a vitória ficou com Major Gustavo Lopes da Cruz montando Opala do Rincão. Representante de Comissão de Desportes do Exército, fechou com apenas 50,4 pontos perdidos (pp): 57,58% no Adestramento, zero no Cross e no tempo, 8 pontos no Salto. Na série CCI3* Short, o Tenente Luis Fernando de Oliveira Varanda com Oneron do Rincão, venceu com -43,3 pp (Adestramento – 62,27%, zero no Cross e 1,6 pp no tempo, 4 no Salto), representando o Exército.

Além do Major Gustavo com Opala Rincão, vencedor do CCI3* e quatro primeiros colocados da série CCI3* Short também garantiram índice técnico. O Tenente Varanda, Luciano Drubi, André Parro e o Major Vinícius Albano, integraram o Time Brasil que em outubro de 2019 garantiu bronze no Sul Americano carimbando o passaporte do país para o Pan 2019.

Tenente Luis Fernando de Oliveira Varanda com Oneron do Rincão

Também foram disputadas séries internacionais 2* e 1*. Na série 2*, o paulista Lucca Martines Pereira Lima, representante da nata jovem do CCE, foi o grande vencedor montando Forever, com apenas 47 pp. Em outubro de 2019, Lucca – que treina com cavaleiro olímpico Guega Fofanoff em Ribeirão Preto – foi campeão do Internacional 1* na Argentina. Na série Internacional 1*, retornando as pistas com PP Tarca, o cavaleiro olímpico Marcio Appel venceu com 30,00 pp.

Alguns conjuntos em atividade no circuito Europeu são também candidatos uma vaga no Pan estão, como Marcelo Tosi, Carlos Parro, Ruy Fonseca, Marcio Appel, Rafael Losano, que já têm índice técnico; ao lado de outros tops que ainda buscam qualificação como Marcio Jorge, Ricky Candi. Nos Estados Unidos, Nilson Moreira da Silva, que já tem um índice técnico, e Henrique Pinheiro também estão disputando vaga.

Marcio Appel e PP Tarca

Atuando como Steward, ou Comissário, uma função oficial da Federação Equestre Internacional que trabalha na organização das provas para que o fluxo dela aconteça da melhor forma possível, o brasileiro Alberto Guerra esteve nesse evento. “Foi muito corrido, o sol pegou forte, mas foi uma ótima experiência. Pela primeira vez atuei como Chief Steward e de cara em uma prova desse tamanho. Só tenho a agradecer aos organizadores, juízes e todos os colaboradores da prova”, disse ele.

Alberto, Publicitário e Gestor em Equinocultura, é Steward há seis anos. Ele explica que sua função é situar que tudo ocorra dentro do regulamento da competição, que se tratando de FEI, o regulamento engloba desde o tipo de serragem que vai para dentro das cocheiras, a largura das baias, a distância entre elas, tipos de espora, chicote, embocadura, vestimenta dos cavaleiros, etc.

Fonte: CBH
Fotos: Ana Carolina Fotografia, Photogrid e cedidas

Hipismo

Confira os resultados da 5ª e última etapa do DTC Tour 2020

O evento foi idealizado pelo cavaleiro olímpico Doda Miranda e, portanto, é realizado no Doda Training Center, em Itatiba/SP

Publicado

⠀em

Os cavaleiros começaram na última quarta-feira (16) a corrida maluca pelo ‘pote de ouro’ da 5ª e última etapa do DTC Tour 2020, realizado no Doda Training Center, em Itatiba/SP. De acordo com o idealizador da competição, o cavaleiro olímpico Doda Miranda, a maior intenção do evento é incentivar que os demais concursos realizados no país passem, também, a ter melhores prêmios.

“Depois de toda a experiência que adquiri no exterior e tendo sentido na pele as dificuldades que sempre tivemos no Brasil, eu criei o DTC Tour, esse ano, para mostrar principalmente para os nossos dirigentes o melhor caminho para o hipismo de salto no país. Com boas premiações, as provas se tornarão mais competitivas e os cavaleiros brasileiros não necessitarão de ir tanto para o exterior para terem uma melhor carreira. O próximo passo será o de fazer o DTC Tour virar uma disputa de Copa do Mundo, daqui três ou quatro anos”, resume Doda Miranda.

Sendo assim, a principal prova da abertura da competição foi na altura de 1,40m, na quarta (16). Depois, na quinta (17), o DTC Prime Classic, na altura de 1,40m, e, por fim, no sábado, o DTC Super Cup Grand Prix, a 1,50m. (Confira os campeões abaixo)

Ainda de acordo com Doda Miranda, só nessas três disputas foram distribuídos R$ 465 mil em prêmio.

Rodrigo Lima DTC Tour 2020 – Foto: Divulgação/Felippe Saad

Prova de abertura, a 1,40m

Com atraso provocado pela forte chuva que caiu à tarde e a incrível participação de 74 conjuntos, a principal prova de quarta-feira terminou quase no final do dia, perto da meia noite. A prova distribuiu R$ 15 mil em prêmios, sendo R$ 4,5 mil para o vencedor.

Dessa forma, a disputa pela vitória com o melhor tempo da competição e sem faltas nos 10 obstáculos de 1,40 metros foi emocionante. Em primeiro lugar, ficou o cavaleiro Rodrigo Lima, montando Dehli do Santo Antonio, com o tempo de 53,32 segundos. Sem dúvida, o mais rápido entre os 33 conjuntos que zeraram o percurso e de toda a prova.

Em segundo lugar ficou a amazona Giovanna de Finis Sobania, com HFB Hannah, com 54,37 segundos. O cavaleiro olímpico Doda Miranda, com Bethânia JMen, foi o terceiro colocado, com 55,33 segundos.

DTC Prime Classic

Ao todo, 86 conjuntos participaram do DTC Prime Classic na quinta-feira (17), com obstáculos na altura de 1,40m. Consequentemente, os seis que zeraram sem faltas a primeira passagem foram para o desempate.

Na segunda passada, os três primeiros foram os únicos que voltaram a zerar, classificação então decidida pelo tempo. Em primeiro lugar, José Roberto Reynoso Fernandez FIlho com Azrael W, com o tempo de 35s55. O conjunto conquistou R$ 30 mil em prêmio.

Depois, em segundo lugar ficou Luiz Felipe Pimenta Alves e Akron JMen com o tempo de 37s06. Levando. Na sequência, fechando o pódio, Thales Gabriel de Lima Marino e Georgia Polana, com o tempo de 40s29. O segundo e o terceiro colocado conquistaram R$ 18 mil e R$ 13 mil, respectivamente.

Com atuação impecável, Stephan Barcha venceu o DTC Super Grand Prix – Foto: Divulgação/Felippe Saad

DTC Super Cup Grand Prix

O cavaleiro olímpico Stephan Barcha, com Chevaux Primavera, venceu no sábado (19), o DTC Super Grand Prix. Com um percurso previsto para criar dificuldades, feito pelo consagrado armador brasileiro dos Jogos Olímpicos Rio-2016, Guilherme Jorge, a prova foi a mais difícil da temporada no país e valia R$ 350 mil.

Dos 49 conjuntos participantes, apenas dois não perderam pontos por faltas na primeira pista de 1,50 metros. A princípio, do vencedor Barcha, com o tempo de 82,65 segundos. Depois, Guilherme Foroni (Chelsea JMen), com 79,49 segundos, o mais rápido e que garantiu a posição de último a entrar no percurso decisivo cronometrado.

A dificuldade do DTC Super Grand Prix foi tanta que 11 cavaleiros preferiram desistir e poupar seus cavalos quando cometiam duas ou três faltas antes de completar a metade do percurso, que foi o caso do próprio vencedor Stephan Barcha, com a outra montaria Calida.

O segundo percurso apresentou menos dificuldades nos obstáculos e a decisão ficou para os três últimos que entraram na pista. Trazendo um ponto perdido, Pedro Onety não cometeu falta, mas foi penalizado novamente com mais 1 ponto por exceder em 23 centésimos de segundo o tempo permitido, que era de 53 segundos. Assim terminou com 2 pontos perdidos e jogou muita responsabilidade para os dois últimos a entrar na pista.

Experiente, Stephan Barcha fez o último percurso com Chevaux Primavera mais preocupado em zerar do que correr, já que garantiria assim o segundo lugar na competição e deixaria a responsabilidade para Guilherme Foroni. E a vitória acabou sendo de Barcha porque Forroni/Chelsea JMen derrubou um obstáculo com um leve toque, o que fez o conjunto perder 4 pontos e ficar com a 4ª posição do GP, atrás ainda do 2º Pedro Onety/Etonian Master Polona (2 pontos perdidos) e do 3º André Moura (Henessy M), que foi o mais rápido de 4 pontos perdidos, com 46,85 segundos.

Por fim, para conferir os resultados completos do evento clique aqui

Colaboração: Charles Marzanasco Filho/Assessoria de Imprensa DTC Tour 2020
Crédito da foto em destaque: Reprodução/Facebook/Horsepix

Veja mais notícias do Hipismo no portal Cavalus

Continue lendo

Hipismo

Andrea Muniz fatura GP Internacional de Salto em São Paulo

Com o terceiro lugar, José Reynoso conquista o hepta do ranking senior top; última etapa do ranking brasileiro senior top aconteceu Clube Hípico de Santo Amaro

Publicado

⠀em

O GP Internacional CSI-W de D’ezembro no Clube Hípico de Santo Amaro encerrou o ranking brasileiro senior top 2020 de Salto. Saltando em casa, a amazona baiana Andrea Guzzo Muniz Ferreira foi a primeira mulher a vencer um GP desse nível no Brasil desde 2019. A prova aconteceu no domingo, 13 de dezembro.

Por outro lado, GP também valeu pela liga sul-americana para a final da Copa do Mundo 2021. A 1.40/1.60m, a pista teve a course-designer internacional Marina Azevedo como idealizadora. Disputado em duas voltas, foi uma prova extremamente difícil. Andrea largou na frente com apenas uma falta na primeira passagem. Dos 14 conjuntos, dez voltaram para o desempate.

Última em pista, Andrea montou Quivala, um sela francês de 16 anos. Com toda a certeza, levantaram a torcida com percurso sem faltas, 65s07. Como resultado, garantiu esse importante título. Curiosamente, essa foi a primeira vitória de uma amazona em um GP do nível senior top (rendimento máximo) desde abril de 2019 em solo brasileiro. Na época, Karina Johannpeter venceu o GP Internacional SHP Open.

“Estou super feliz! Há muito tempo que não tinha um cavalo para esse nível de prova com essa qualidade”, destaca a campeã Andrea, 45, que começou a montar Quivala há pouco mais de um mês.

Ademais, o Salto é o único esporte olímpico em que homens e mulheres competem em condições de igualdade. Em segundo lugar ficou Marcello Ciavaglia montando GR Garuda. O conjunto também zerou a segunda volta e fechou com os 12 pontos trazidos da primeira passagem, em 61s47.

Andrea Muniz fatura GP Internacional de Salto em São Paulo. Com o terceiro lugar, José Reynoso conquista o hepta do ranking senior top
Reynoso

Zé Reynoso é hepta no ranking senior top de Salto

Com esse resultado, Ciavaglia fechou a temporada como vice-campeão do ranking brasileiro senior top. Antes de mais nada, repetiu o mesmo resultado de 2019, quando também foi vice-campeão brasileiro e do ranking da categoria. Em contrapartida, o terceiro lugar de José Roberto Reynoso Fernandez Filho deu a ele o título brasileiro do ranking senior top.

O cavaleiro olímpico, que já é pentacampeão brasileiro senior top (2015-16, 2018-20), montou Cornet Dor JMen, de apenas 8 anos, sem faltas na segunda, em 65s47. Dessa forma, fechou a prova com os 13 pontos perdidos da primeira passagem. Resultado que rendeu ao cavaleiro de 40 anos nada menos que o heptacampeonato do ranking brasileiro anual senior top (2007-08, 2015-16, 2018-20).

A disputa distribuiu R$ 120 mil, incluindo um carro Renault Kwid ‘zero’ km à campeã Andrea. Ela ainda recebeu como prêmio um relógio feminino Bulova. O campeão do ranking brasileiro José Reynoso, do mesmo modo, também receberá um carro ‘zero’ km oferecido pela Confederação Brasileira de Hipismo.

Vale reforçar, antes de tudo, que nesse mesmo evento, na sexta (11), Reynoso venceu a primeira prova Internacional CSI-W D´ezembro. Com Daddy Cool JTH garantiu a primeira colocação, sem faltas, em 34s20.

Andrea Muniz fatura GP Internacional de Salto em São Paulo. Com o terceiro lugar, José Reynoso conquista o hepta do ranking senior top
Nahuel

GP Clássico CSN D´ezembro

No sábado (12), o ponto alto do Internacional e Nacional CSI-W e CSN D´ezembro foi o Clássico, a 1.45m, válido pela série Nacional. Dos 39 conjuntos, portanto, sete foram ao desempate. A vitória não ficou em casa. Sagrou-se campeão o cavaleiro argentino Nahuel Perez Salgado montando LN Eugene WP, que cruzou a linha de chegada sem faltas em 38s79.

Essa foi primeira participação Nahuel em um concurso no Brasil. “Esse ano deu tudo certo. Eu já queria ter vindo no ano passado, mas somente agora deu certo”, destaca Nahuel o cavaleiro de 35 anos que mora no sul da Argentina. “O concurso está espetacular. Estou com essa égua há dois anos. Semana passada, saltamos um GP, a 1.60m, mas essa semana decidi baixar de altura para preservá-la”, finaliza Nahuel.

Em segundo lugar ficou Lucio Osório, top mineiro radicado em São Paulo. Montando Nefertite do Arete, de apenas 7 anos, garantiu então o vice-campeonato com pista limpa, 36s63. Resultado completo.

Andrea Muniz fatura GP Internacional de Salto em São Paulo. Com o terceiro lugar, José Reynoso conquista o hepta do ranking senior top
Gustavo Ferreira e SL Sabacord – Foto: @edsonjrfotografo

Brasília

A noite de sábado (12), também foi agitada no CSN* Brasília Indoor, na Sociedade Hípica de Brasília. A saber, a disputa da Copa Ouro, a 1,35m, valeu pelo Troféu Perpétuo Luís Ferreira Corrêa ‘Tchê’, o único conjunto com duplo zero foi do cavaleiro que se formou em Brasília, porém é atual representante da Federação Paranaense de Hipismo: Gustavo Ferreira e SL Sabacord.

Dessa forma, sagram-se campeões do Mini GP. Logo após a premiação, o campeão comentou: “Eu estou muito feliz de estar aqui e por colocar o nome neste troféu tão importante que é o Luís Ferreira, que todo mundo que conheceu sabe da pessoa tão especial que ele foi”.

O Troféu Perpétuo Luíz Ferreira Corrêa é uma homenagem em memória do cavaleiro e instrutor que era conhecido como ‘Tchê’. Ele faleceu em agosto de 2017 e comoveu todo o meio hípico. Desde então, essa disputa é a principal prova deste evento que encerra o calendário hípico brasiliense, tradicionalmente na primeira quinzena de dezembro.

O vice-campeão foi Rafael Daher montando Gitane Metodo, com tempo de 37s66. O mais rápido entre os conjuntos que fizeram uma falta na segunda volta. A terceira colocação ficou com Marcus Gustavo Pinto SL Quidento, 38s13. Houve ainda, sem seguida da Copa Ouro, a tradicional prova ‘festiva’ Carro x Cavalo. Semelhantemente ai feito do ano passado, Juliano Joffily no volante e Luiz Felipe Pimenta montando SL Vigoroso foram os grandes campeões, 75s68. (Fonte: IBC Comunicação e Marketing)

Colaboração: Assessoria de Imprensa CBH
Crédito das fotos: Divulgação/João Markun

Veja mais notícias do Hipismo no portal Cavalus

Continue lendo

Hipismo

Thales Marino fatura GP Internacional Top Riders na Hípica Paulista

GP Top Riders Troféu Perpétuo José Roberto Reynoso Fernandez foi a grande atração do Internacional Top Riders

Publicado

⠀em

Thales Marino,19, foi o grande campeão do o GP Internacional Top Riders – Troféu Perpétuo José Roberto Reynoso Fernandez. Montando Deauville, o jovem cavaleiro subiu ao lugar mais alto do pódio na Sociedade Hípica Paulista no último final de semana, dia 5 de dezembro. 

A disputa desse GP, que homenageia o grande Alfinete, foi a a 1.40/1.60m. Além disso, o pódio foi ‘estrelado’. Não apenas contou com Thales Marino, como também mais dois representantes da nata jovem do hipismo brasileiro fizeram ótimas apresentações. Thales e Deauville (foto) fecharam a primeira passagem com duas faltas (8 pontos). Em seguida, zeraram o segundo percurso, em 57s43.

Dos 19 conjuntos, conforme a regra, os 12 melhores – dois sem faltas, três com apenas um derrube – 4 pontos, três com 5 pontos e outros quatro com 8 pontos – voltaram para a segunda e decisiva rodada. A armação foi da course-designer internacional Marina Azevedo.

GP Top Riders Troféu Perpétuo José Roberto Reynoso Fernandez foi a grande atração do Internacional Top Riders; vitória de Thales Marino
Marcello Ciavaglia

Marcello Ciavaglia, com GR Garuda, zerou a primeira passagem. No desempate, foi o penúltimo conjunto em pista focado em garantir o duplo zero. Mas, acabou cometendo duas faltas, em 62s42. Como resultado, ficou com o segundo lugar do GP.

O último a largar foi André Fonseca Moura, com Ferrari M. O conjunto até poderia cometer uma falta que seria o campeão. Entretanto, cometeu dois derrubes, em 66s27, e fechou a prova com uma importante terceira colocação.

Em quarto lugar, o cavaleiro olímpico Doda de Miranda com Jumanje do Cach. Fechando o pódio, a jovem amazona da casa Carolina Souza Chade, com Flying High das Umburanas; e Rafael Rodrigues dos Santos montando Caramel JMen.

GP Top Riders Troféu Perpétuo José Roberto Reynoso Fernandez foi a grande atração do Internacional Top Riders; vitória de Thales Marino
Pódio GP

Ranking e agenda

A disputa foi válida pelo ranking brasileiro senior top. Marcello Ciavaglia, então, assumiu a liderança com 279,5 pontos. De tal forma que José Roberto Reynoso Fernandez Filho, o segue de perto. Zé Reynoso era o líder, mas caiu para a segunda colocação com o sétimo lugar nessa etapa. Tem agora 277,5 pontos. 

A última etapa do Ranking Brasileiro Senior Top acontece no Internacional D’ezembro, no Clube Hípico de Santo Amaro, entre 8 e 13/12. Ambas as disputas contam pontos para liga sul-americana em busca de duas vagas na final da Copa do Mundo 2021, na Suécia.

Colaboração: Assessoria de Imprensa CBH
Crédito das fotos: Divulgação/Luis Ruas

Veja mais notícias do Hipismo no portal Cavalus

Continue lendo
X
X