Cavalgadas Brasil

Cavalgada para Machu Picchu com equipe da EPTV/Globo

Paulo Junqueira aborda em seu artigo da semana a respeito de uma cavalgada que fez a Machu Picchu com uma equipe de TV

Em agosto de 2010 organizei uma viagem a cavalo para Machu Picchu, para a gravação de um especial do Programa Terra da Gente, da EPTV, afiliada da rede Globo no estado de São Paulo.

No grupo tivemos, inegavelmente, a enriquecedora companhia do Enrique Umbert Sr, visionário pioneiro no desenvolvimento do turismo aventura de luxo nas montanhas do Peru. Junto com alguns amigos do Brasil, convidados para me acompanhar nessa aventura, estavam a repórter Helen Sacconi e o cinegrafista Antônio Luis.

Dessa forma, percorremos cerca de 110 quilômetros a cavalo pelas montanhas da Cordilheira de Vilcabamba, até avistar Machu Picchu. Acima de tudo, conhecida como Cidade Perdida dos Incas, um dos exemplos mais famosos da arquitetura incaica.

Machu Picchu

Machu Picchu, que significa ‘velha montanha’, é uma cidade pré-colombiana bem conservada. Está localizada no topo de uma montanha a 2.400 metros de altitude, no vale do rio Urubamba, mais conhecido como Vale Sagrado.

A viagem durou oito dias e o percurso, que teve início na capital Cusco, terminou nas ruínas da cidade inca. “O caminho era rodeado de paisagens incríveis. Mesmo com o frio e os desafios da altitude, foi uma das melhores viagens da minha vida”, conta Helen. A repórter nunca tinha cavalgado e precisou fazer um mês de aulas de equitação antes de seguir com nossa expedição.

Surpreendentemente, no roteiro as paradas foram em refúgios de montanha, lugares que também proporcionaram experiências únicas. “Éramos sempre muito bem-recebidos com chás quentes e comidas bem típicas. Pudemos provar uma sopa de cabeça de bode e um assado de porquinho-da-índia”, lembra a repórter.

jornalista Helen Sacconi – Foto: Arquivo/Programa Terra da Gente

Salkantay – Montanha Sagrada

No percurso chegamos a mais de 4.500 metros de altitude cruzando um ‘Paso’ na montanha Salkantay, é o segundo pico mais sagrado na mitologia Inca e com seus 6.270 metros é o mais alto na região, o que exigiu folego extra de todos nós e dos cavalos.

Tomar chá de folhas de coca para ajudar aliviar o ‘mal das alturas’, antes de mais nada, fazia parte da rotina. E Helen lembra que esse foi o maior desafio de toda a expedição. “Nós ficávamos com muita falta de ar”. Embora sejam reputados por seus poderes curativos para doenças de altitude entre os turistas, as folhas de coca são mais do que isso para os habitantes locais, sendo usadas como uma oferta cultural.

Cavalgada para Machu Picchu com equipe da EPTV/Globo Paulo Junqueira aborda em seu artigo da semana a respeito de uma cavalgada que fez a Machu Picchu com uma equipe de TV
Flora, culinária local, paisagens e arquiteturas são registradas pela equipe da TV – Foto: Arquivo/Programa Terra da Gente

Os Xamãs – Ritual para Pachamama

O xamanismo está muito presente na história espiritual do Peru, a cultura Inca tem em suas raízes um misticismo bastante forte, crenças que passaram a influenciar a vida e o cotidiano dos peruanos.

Do mesmo modo, alguns de nossos guias eram também Xamãs, guias espirituais, pessoas com profundo conhecimento da natureza humana. “Em determinados pontos do percurso, eles faziam rituais. Foram momentos emocionantes e inesquecíveis”, recorda a repórter.

As águas turquesas do lago Humantay, formado pelo degelo do glaciar Humantay, foram o ambiente aonde nossos guias realizaram o ritual qhoymi, de agradecimento à Pachamama, a Mãe-Terra. Durante o ritual explicaram a simbologia das espigas de milho, doces, incensos de palo santo e outros elementos que foram dispostos em gratidão à natureza e à vida.

Cavalgada para Machu Picchu com equipe da EPTV/Globo Paulo Junqueira aborda em seu artigo da semana a respeito de uma cavalgada que fez a Machu Picchu com uma equipe de TV
Guias preparam ritual xamã – Foto: Arquivo/Programa Terra da Gente

Durante a viagem tivemos oportunidade de conhecer a rotina das pessoas de algumas comunidades tradicionais que vivem naquelas alturas e ouvir histórias de suas heranças da cultura inca, como por exemplo, sempre pedirem licença aos ‘Apus’ – espíritos das montanhas.

A equipe da EPTV acompanhou nossa cavalgada, para registrar a incrível experiência ao percorrer a cavalo a Trilha Inca de Salkantay.

Por fim, ao concluir a viagem ficamos felizes em participar de um projeto que tem o compromisso de criar valor social e econômico, preservando e fortalecendo as tradições das comunidades andinas do Peru. “Tem que haver valor em uma experiência para dar cada vez mais conexão a um lugar”, como bem disse o arquiteto Andres Adasme.

Por Paulo Junqueira Arantes
Cavaleiro profissional e Diretor da agência Cavalgadas Brasil
www.cavalgadasbrasil.com.br

Veja outras notícias da editoria Turismo Equestre no portal Cavalus