Working Cow Horse

O Working Cow Horse une o trabalho de Rédeas com o de Apartação

Publicado

⠀em

O cavalo de Working Cow Horse demonstra cow sense, tem capacidade para ser facilmente controlado, ao mesmo tempo que facilita o trabalho nos ranchos

O Working Cow Horse é um esporte que surgiu da necessidade dos cowboys disporem de cavalos que pudessem ser facilmente controlados, com pouco ou nenhum esforço. Ao mesmo tempo, os cavalos devem demonstrar um apurado cow sense e facilitar o trabalho nos ranchos. Em outras palavras, une o trabalho de Rédeas com o de gado, característico da Apartação. Com toda a certeza, é uma modalidade singular. Acima de tudo, a modalidade tem suas raízes no Oeste Americano.

Em uma arena de competição de Working Cow Horse, a finesse da equitação moderna combina perfeitamente com métodos de treinamento testados há tempos. Os cavalos de prova hoje têm suas raízes em um processo meticuloso e secular usados pelos vaqueiros para criar seu parceiro de trabalho mais valioso: um cavalo que poderia ser controlado por um leve toque das rédeas, mas ainda possuir velocidade para dominar o melhor gado.

O cavalo de Working Cow Horse demonstra cow sense, tem capacidade para ser facilmente controlado, enquanto facilita o trabalho nos ranchos

Origem

Por quase 150 anos, o cavalo de trabalho com o gado era famoso em toda a Califórnia e no Oeste dos Estados Unidos. Até que, no início do século 19, a corrida pelo ouro mudou o rumo das coisas por lá. Muitos recém-chegados ao que chamavam ‘estado do ouro’, dissolveram as fazendas de gado. Nas que permaneceram, as técnicas modernas de manejo de gado e máquinas, eventualmente, eliminaram grande parte da necessidade de um cavalo de trabalho bem treinado e versátil.

A cultura desse tipo de cavalo vem do cavaleiro espanhol e mexicano. Ele gerenciava as raças nas fazendas da Califórnia durante os séculos 18 e 19. Muitas histórias descrevem a natureza selvagem dos bovinos, então os homens que trabalhavam nas fazendas precisavam de um cavalo inteligente, rápido, cabeça boa. Além disso, que os ajudassem com as tarefas diárias da lida. Era uma necessidade, não uma opção. E, ao longo do tempo, os vaqueiros desenvolveram um sistema de treinamento que reverenciava a elegância e precisão.

No início do século 20, esse tipo de cavalo passou de uma necessidade para um luxo. Havia pouca atividade que desse conta de sustentar financeiramente a manutenção deles. A maioria dos fazendeiros estava lutando para sobreviver à Grande Depressão nos Estados Unidos, que piorou com a Segunda Guerra Mundial. Poucas pessoas tinham tempo para se preocupar com os cavalos e os programas de treinamento.

E foi nesse momento da história que a National Reined Cow Horse Association – NRCHA surgiu, em 1949.

No Brasil

O primeiro passo para o Working Cow Horse no Brasil foi a vinda de Les Vogh. O treinador americano fez uma apresentação da modalidade por aqui a convite de Francisco de Almir Bezerra. Em seguida, o Think a Mite a Ranch promoveu uma apresentação do esporte no Rancho das Américas. E logo depois realizou o 1º Working Cow Horse Show Think A Mite A Ranch & DA. Assim, a prova teve parceria do Double A Ranch e foi realizada no Road Shoping, Itu/SP, em 2002.

Em 2006, nasceu a Associação Nacional de Working Cow Horse – ANCH.

O cavalo de Working Cow Horse demonstra cow sense, tem capacidade para ser facilmente controlado, enquanto facilita o trabalho nos ranchos

Working Cow Horse: como funciona

O conjunto deve demonstrar para os juízes que detém total controle do cavalo. A prova é composta por um percurso de rédeas e pelo trabalho com boi (rebanho). Portanto, duas partes compõem a nota final. Na primeira, o cavalo deve seguir um percurso com algumas manobras. São requeridos: mudanças de mão, spins e esbarros. Os juízes não olham apenas um cavalo que seja voluntariamente guiado, mas também controlado em todos os seus movimentos.

No trabalho de rebanho, um boi é solto sozinho na arena. O cavalo deve segurá-lo na ponta final da pista, demonstrando sua habilidade em contê-lo. Em segundo lugar, deve dirigir o boi beirando a cerca, virando-o em ambas as direções. Por isso que esta parte da prova é chamada de ‘trabalho de cerca’. Por fim, o cavalo deve mover o bovino para o centro da arena, fazendo círculos ao redor, em ambas as direções.

O julgamento é baseado em boas maneiras, maciez, senso de rebanho. E ainda facilmente guiado no trabalho de Rédeas. A nota é dada para cada parte do trabalho de 0 a 100; 70 de nota média. Penalidades serão dadas aos cavalos que são excessivamente agressivos com o boi ou na falta de controlar o boi no final da arena.

Nos Estados Unidos, as provas são divididas em trabalho com boi (cow work), trabalho de cerca (herd work) e trabalho de rédeas (rein work). Com efeito, cada um dessas fases acontecem em dias separados pelo mesmo conjunto e as notas são somadas. Aqui no Brasil, a prova é feita de uma vez só, as fases de rédeas e cerca, o cavalo não sai da pista.

Por Luciana Omena
Fonte: NRCHA, ANCH
Crédito das fotos: Divulgação/Primo Morales

Veja mais notícias da modalidade Working Cow Horse no portal Cavalus

WordPress Ads
WordPress Ads