Vaquejada

Micheline Carvalho atua com bem-estar animal no esporte equestre

Publicado

⠀em

Micheline Carvalho atua com bem-estar animal no esporte equestre Formada em Zootecnia, ela é uma das mulheres que trabalham zelando pelos cuidados com cavalos e bois no esporte

Formada em Zootecnia, Micheline Carvalho é uma das mulheres que trabalha zelando pelos cuidados com cavalos e bois no esporte

Micheline dos Santos Carvalho, de Maceió/AL, hoje mora em Marechal Deodoro/AL. Autônoma, tem entre suas frentes de atuação no mercado equestre a equinocultura e o bem-estar animal. Formada na segunda turma de Zootecnia da UFAL – Universidade Federal de Alagoas, ela sempre esteve ligada ao meio esportivo e ao bem-estar animal.

Além disso, também é Inspetora da ABC Paint e juíza de Bem-Estar Animal pela ABVAQ desde 2017. Entre os projetos, Micheline, que é pioneira como instrutora do ‘Curso de Formação para Tratadores de Equinos’, espera poder continuar focando seu dia a dia na formação de mão de obra capacitada para o setor.

Conversamos com ela, confira!

Micheline Carvalho atua com bem-estar animal no esporte equestre Formada em Zootecnia, ela é uma das mulheres que trabalham zelando pelos cuidados com cavalos e bois no esporte
Crédito da foto: Divulgação/Anderson Cavalcanti

Cavalos

“Desde criança sempre gostei de cavalos e sempre tive o foco de que quando fosse adulta iria trabalhar com eles. Em 1999 fiz minha primeira participação como estagiária na Expoagro de Alagoas, na área de equinos e, desde esse dia, nunca mais deixei de mexer com cavalos.

Meu seguimento sempre foi ligado às raças Quarto de Milha e Paint Horse. Um grande exemplo que segui desde a faculdade foi a atuação do zootecnista na área, uma grande inspiração, meu mestre querido Dr Travassos. Zootecnista de respeito em nossa região.

Micheline Carvalho atua com bem-estar animal no esporte equestre Formada em Zootecnia, ela é uma das mulheres que trabalham zelando pelos cuidados com cavalos e bois no esporte
Crédito da foto: Divulgação/Anderson Damasceno

Eu monto, mas nunca competi de forma séria. Brinquei algumas vezes com Vaquejada, mas preferi ficar na parte mais árdua que é bem-estar mesmo. Já arrisquei também nos Três Tambores, um esporte apaixonante”.

Bem-estar animal

“O bem-estar para mim foi mais fácil, porque eu já tinha a experiência como juíza em provas de Vaquejada pela ABC Paint (cavalo Paint Horse). Ingressar como juíza de bem-estar de Vaquejada pela ABVAQ veio mais fácil. Contudo, um pouco mais árduo, pois para os criadores de raça os regulamentos já existiam, já para cavalos sem registro não.

Micheline Carvalho atua com bem-estar animal no esporte equestre Formada em Zootecnia, ela é uma das mulheres que trabalham zelando pelos cuidados com cavalos e bois no esporte

A minha primeira prova como juíza de bem-estar animal foi pela ABC Paint, em agosto de 2015, em Santa Cruz/RN, durante o Nacional de Vaquejada da Raça Paint. Entretanto, como juíza de bem-estar da ABVAQ foi em janeiro de 2017, no Parque de Vaquejada Ulisses Miranda, em Palmeira dos Índios/AL

No começo, houve muita resistência e até mesmo problemas sérios por causa da falta de orientação. Na época, por ser algo novo, o ‘não pode’ causou muitos problemas iniciais. Assim, até se estabelecer a informação para toda a vaqueirama muita ‘água rolou’. Hoje, apesar de sempre haver um que resista às regras, muito se evoluiu. Mas ainda se tem muito a ser feito”.

Desafios

“Como toda atividade, o juiz de bem-estar animal precisa estar sempre atento para exercer um bom trabalho. Desse modo, prestamos atenção em equipamentos cortantes e os velhos costumes que vemos em alguns competidores, que são completamente inaceitáveis nos dias de hoje. Essa função, sem dúvida, já é mais respeitada, mas ainda se tem muito para evoluir.

E tem o fato de ser mulher nesse meio. Porém, como eu e algumas colegas seguimos a linha ‘dura’ de Dr Travassos, fica mais fácil trabalhar. Não me intimido em fazer meu trabalho. O que está escrito no regulamento se cumpre na íntegra.”

Micheline acabou de ser mãe do pequeno Miguel Henrique

Fique por dentro: @suprianimal

Por Luciana Omena
Crédito das fotos: Arquivo Pessoal

Veja mais notícias da modalidade Vaquejada no portal Cavalus

Vaquejada

Importância e o uso do protetor de cauda na Vaquejada

Até hoje, somente uma empresa segue todos os requisitos para a aprovação dessa peça junto a Associação Brasileira de Vaquejada

Publicado

⠀em

“Estamos sempre trabalhando para que o nosso esporte melhore cada vez mais. Por isso, o cuidado com os animais é um ponto primordial nas condutas de evolução da Vaquejada”, comenta Pauluca Moura, presidente da ABVAQ. Pensando nesse principio, então, o protetor de cauda foi um avanço significativo.

“Antes de mais nada, todo o critério na homologação desse produto se faz necessário para que possamos cada vez mais oferecer o melhor para os principais protagonistas desse esporte”. De acordo com o Manual de Bem-Estar Animal da Associação Brasileira de Vaquejada, o uso do protetor de cauda será disciplinado segundo as seguintes observações:

  • Deverá ser colocado no local ideal do bovino de acordo com as especificações do fabricante, sob a orientação do chefe de curral, para não prejudicar a integridade física do animal, tampouco a apresentação do competidor.
  • Em bovinos com cauda normal;
  • Ser retirado imediatamente após cada apresentação;
  • As luvas padrão ABVAQ, sem quinas nem inclinação até a altura de 5cm, nem material cortantes, ou quaisquer artifícios que venham a danificar o protetor de cauda ou a integridade física do animal.

Então, durante uma prova, cabe ao Juiz de Bem-Estar Animal observar se o regulamento é cumprido à risca, em todos os seus pontos, incluindo o do protetor de cauda.

“Nosso regulamento contém regras bem detalhadas de Bem-Estar Animal. Sobretudo, que devem ser seguidas e obedecidas na íntegra nos eventos regulamentados e chancelados pela ABVAQ. Definimos diretrizes e normas a fim de garantir totalmente a integridade física de cavalos e bois em atendimento aos princípios de bem-estar animal”, complementa Pauluca.

Portanto, o protetor de cauda é um equipamento de segurança importante para garantir que não haja nenhum dano ao boi. Diversas pesquisas científicas constataram sua eficácia e a aplicação correta dá uma maior segurança ao animal.

Até hoje, somente uma empresa segue todos os requisitos para a aprovação do protetor de cauda junto a Associação Brasileira de Vaquejada
Equipamento é um dos meios de proteção à integridade física dos bois na Vaquejada

Transparência e a importância da homologação do protetor de cauda

Há alguns dias, a ABVAQ soltou em seu Instagram um vídeo sobre o assunto, que é um dos pontos de grande questionamento dos que acompanham a Vaquejada. Segundo Pauluca, a Associação recebe sempre muitas perguntas, inclusive sobre a ABVAQ ter apenas uma empresa com o protetor de cauda homologado.

“O regulamento da ABVAQ versa que o protetor de cauda precisa de homologação, ou seja, a Associação analisa com base em todos os critérios que garantem que aquele protetor de fato protege a cauda do boi. E muita gente pergunta por que até hoje apenas uma empresa tem seu produto homologado”, lembra o presidente.

Com efeito, ele reforça que a ABVAQ está à disposição para receber e para homologar todo e qualquer protetor de cauda que documentalmente comprove a proteção.

“infelizmente, até o momento, nós só temos uma marca comprovada. E, acima de tudo, para o bem da Vaquejada, é importante que todos entendam que não é papel da ABVAQ aprovar ou vetar esse ou aquele produto. Estamos aqui para cobrar que seja usado um protetor que garanta, de fato, a proteção da cauda do boi e com isso garantir a proteção do nosso esporte”.

Entre os pontos mais importantes do processo de homologação pela ABVAQ, que tem várias etapas, é o envio do protetor de cauda a um perito judicial. Antes de mais nada, a ABVAQ trabalha, especialmente nesse caso, sob critérios técnicos. Só após a análise e parecer desse perito, e cumpridos todos os demais critérios técnicos, é que o produto recebe homologação como seguro para o seu fim, que é a proteção do rabo do boi.

Ainda segundo, Pauluca Moura, a Vaquejada sofreu e sofre muitos ataques. “Desse modo, não adianta colocarmos o esporte em risco porque fulano de tal fez um protetor e acha que funciona. É simples, traga seu protetor para a ABVAQ, com toda documentação que prove que, efetivamente, o produto apresentado protege o rabo do boi, que ele será é homologado pela ABVAQ”, finaliza.

Veja o que diz o regulamento a respeito dos requisitos necessários, clique aqui.

Por Equipe Cavalus
Crédito das fotos: Divulgação/Ana Clark

Veja mais notícias da modalidade Vaquejada no portal Cavalus

Continue lendo

Vaquejada

Renan Tobias é de família tradicional na Vaquejada

Bicampeão como vaqueiro de puxar do Campeonato Portal Vaquejada, o vaqueiro é destaque do circuito nacional da modalidade

Publicado

⠀em

Nascido no Rio Grande do Norte, de família paraibana e cearense. Renan Rodrigues Dantas da Silva, o Renan Tobias, 26 anos, tem seus cavalos hoje em Caucaia/CE, no Haras Mastruz com Leite. Lá, junto do irmão, também vaqueiro, Renato Tobias, e da família, segue a tradição nordestina das vaquejadas e títulos.

O mais recente foi o de campeão do Campeonato Portal Vaquejada 2020. Aliás, bicampeão. Renan Tobias foi o mais pontuado do circuito nas temporadas 2018 e 2020. De quebra marcou um recorde: é o vaqueiro mais novo a conquistar dois títulos nacionais.

Ano passado somou 210 pontos na categoria Profissional como melhor vaqueiro de puxar na sela de Holand Easy Steel Jr. Ao mesmo tempo, melhor cavalo CPV 2020 da categoria Profissional – cavalo de puxar. Antes de mais nada, o cavalo também sagrou-se bicampeão, já que em 2017 também chegou ao topo do pódio, só que na sela de Adelanir Américo.

“Agradecer a Deus pela temporada passada. Graças a ele foi um ano em que deu tudo certo. Coroando com os prêmios no final do campeonato, que incluiu também o de melhor equipe. Esse um orgulho muito grande pra mim”, conta.

Bicampeão como vaqueiro de puxar do Campeonato Portal Vaquejada, Renan Tobias é destaque do circuito nacional da modalidade
Renato e Renan

Família, o esteio de Renan Tobias

Sem dúvida, 2020 de muitos desafios, especialmente por conta da pandemia da Covid-19. “Por isso só temos que agradecer a todos e batalhar para seguir em frente cada vez mais”. Títulos comemorados também pela mãe, dona Dinalva Dantas: “a emoção foi muito forte. Fiquei em casa e orei muito por eles. Sempre ligando pra Renan e torcendo”.

Renan Tobias lembra ainda que tudo começou com o pai, Seu Tetê, que já não está mais entre eles. E que agora a mãe e o irmão são o alicerce principal da família. Aliás, Renato já corria a mais tempo quando Renan dava seus primeiros passos. E hoje um apoia o outro e fazem de tudo para que evoluam dentro do esporte que amam.

“Coroar as lutas com um título desse é uma alegria, pois vemos tudo que a gente batalhou até aqui”, reforça Renato. Hoje os dois trabalham para patrões diferentes, mas nunca deixam de estar juntos dentro e fora das pistas. Renan aproveita para deixar um recado, principalmente aos que estão começando: “O seu maior adversário é o boi, nunca torça contra nenhum outro vaqueiro.”

Por Equipe Cavalus
Colaboração:
Programa Abre a Porteira
Crédito das fotos: Cedidas

Veja mais notícias da modalidade Vaquejada no portal Cavalus

Continue lendo

Vaquejada

Wesley Safadão vence Bolão Amigos do Coronel no Ceará

Disputa no Haras Primavera movimentou a modalidade Vaquejada na cidade de Canindé

Publicado

⠀em

Tradicionalmente há 14 anos, em março, acontecem o Mega Race Nordeste de Corrida e o Leilão Primavera no Haras Primavera, em Canindé/CE. Mas a temporada 2021 por lá abriu de modo diferente. O Bolão Amigos do Coronel de Vaquejada reuniu alguns nomes importantes como o cantor e vaqueiro Wesley Safadão.

Rafael Leal, titular do Haras Primavera, resolveu fazer essa prova em formato descontraído a fim de reunir os amigos. Afinal, foi na Vaquejada que o criador e proprietário começou sua vida nesse meio do cavalo. E fazia 15 anos que ele não realizava uma prova dessa modalidade na sua casa, a última foi em 2005.

Seu foco hoje é direcionado para a Corrida, mas ele afirma que a Vaquejada está no seu coração. “Então, trouxemos uma parte dos amigos aqui para o haras logo no começo do ano para reviver os momentos do passado. Nunca deixei fazer parte desse esporte, tenho uma equipe de vaqueiros correndo, mas agora eu quero voltar a estar presente nas provas”, afirma Leal.

Disputa no Haras Primavera movimentou a modalidade Vaquejada na cidade de Canindé/CE. Quem esteve por lá foi o cantor Wesley Safadão
Premiação

Vitória de Wesley Safadão

Mesmo sendo um evento não-oficial, vencer é sempre importante. E o cantor e vaqueiro Wesley Safadão voltou do evento com o troféu na mão. Ganhou esse título inédito sem racha ao lado do esteira Irmão Tony. Na fala tradicional dos campeões ao final da prova ele disse: “Toda honra e glória ao Senhor. Principalmente, agradecer a Deus por toda a proteção”.

Aliás, o cantor é natural do Ceará. Desde 2007 ele arrasta multidões com seus shows. Recentemente montou uma equipe de Vaquejada e, sempre que pode por conta de sua agenda, ele aparece nas provas por todo o Nordeste. Safadão também cria cavalos da raça Quarto de Milha.

“É maravilhoso fazer parte de momentos como esse que a Vaquejada nos proporciona. Encontramos aqui amigos e família, é muito bom.  Além disso, a Vaquejada é um esporte saudável, da família e é algo que eu realmente amo fazer parte. O cavalo e a vaquejada são paixões que não tem preço, fora as amizades. Não tenho tanto tempo de criação como o Coronel Leal, por exemplo, mas já tenho muitos amigos e laços muito fortes no meio”, encerra o ídolo.

Por Equipe Cavalus
Colaboração: Programa Abre a Porteira
Na foto de chamada: Safadão ao lado de Egilson Teles do Abre a Porteira
Crédito das fotos: Doquinha Fotografias/Abre a Porteira

Veja mais notícias da modalidade Vaquejada no portal Cavalus

Continue lendo